Família

Em direção à luz!

As pessoas, como as plantas, precisam da luz solar para um crescimento saudável. Para bebês e crianças pequenas, em particular, a luz solar é importante para o desenvolvimento de sua estrutura óssea. Mas ficar muito tempo no sol não é aconselhável. Com que frequência e por quanto tempo as crianças devem sair ao sol? O pediatra Prof. Dr. Alfred Längler oferece respostas e orientações

Somente a luz solar, ou mais precisamente a radiação UV contida na luz solar, torna possível o desenvolvimento do esqueleto das crianças. Ossos saudáveis são o pré-requisito para uma postura ereta e uma marcha forte. No nascimento, a maioria dos ossos de uma criança é feita de cartilagem, tornando-se firme apenas mais tarde. A mineralização óssea adequada começa a acontecer quando as crianças ingerem cálcio e fosfato com sua nutrição. Estas duas substâncias importantes são então incorporadas nos ossos cartilaginosos, sob a influência da vitamina D.

"Bebês e crianças pequenas devem ficar expostos à luz do sol por 30 a 60 minutos por dia. Basta que seu rosto fique exposto a um céu claro."

Prof. Dr. Alfred Längler

A maioria dos alimentos contém apenas uma pequena quantidade de vitamina D, embora quantidades maiores estejam presentes no óleo de fígado de peixe e nos peixes oleosos. Nós também podemos produzir por nós mesmos uma grande quantidade de vitamina D de que precisamos. Isso é feito com a ajuda da radiação UV, que conseguimos quando a luz do sol atinge a nossa pele.

Se faltar vitamina D, nossos ossos não poderão se desenvolver adequadamente. Em crianças, a deficiência grave de vitamina D pode levar ao raquitismo. Embora o leite materno seja a melhor nutrição para os bebês, ele contém apenas uma quantidade relativamente pequena de vitamina D e as fórmulas infantis produzidas comercialmente devem ser enriquecidas com vitamina D (até 15 μg ou 600 UI/litro).

Para garantir que elas produzam vitamina D suficiente em sua pele, bebês e crianças pequenas devem ser expostos à luz solar por 30 a 60 minutos por dia (basta que o rosto deles seja exposto a um céu claro). A luz direta do Sol não é necessária, e é claro que elas não devem ficar sem roupas ao ar livre e perder o calor do corpo.

Mas muita luz solar pode ter consequências negativas, especialmente para bebês e crianças pequenas. Nessa idade, a pele de uma criança ainda é muito fina e tem poucos melanócitos (células da pele que produzem o pigmento melanina protetor da pele e que a escurece). Isso significa que mesmo um período relativamente curto de exposição ao sol pode causar queimaduras de Sol. Como qualquer outra queimadura, ela se manifesta por uma vermelhidão da pele e, quando mais grave, provoca bolhas. Queimaduras de Sol na infância podem aumentar significativamente o risco de desenvolvimento posterior de câncer de pele. Isso se deve em parte ao fato de que o sistema imunológico de uma criança ainda não está totalmente desenvolvido e, portanto, não consegue reparar o dano celular causado pelos raios solares.

Aplique um filtro solar em seu filho, com fator entre 20 e 50.

20
Não menos que
50
Até

Seguindo algumas orientações importantes, os pais podem deixar que seus filhos aproveitem os benefícios da luz solar sem os expor aos riscos desnecessários e evitáveis de exposição ao sol.

  • Quanto mais jovem a criança, mais importante é que ela não seja exposta ao Sol escaldante (especialmente durante as horas do meio do dia, entre as 11h e as 16h).
  • A pele do seu filho deve estar sempre suficientemente coberta, com um chapéu de sol (com proteção no pescoço) e roupas leves de algodão.
  • Use um protetor solar com FPS 20 ou superior, sem perfumes ou conservantes.
  • Nos ouvidos externos, nariz e parte superior dos pés, o protetor solar deve ser aplicado com cuidado especial.

Mesmo que as crianças usem protetor solar, isso não significa que elas possam ser expostas diretamente ao Sol por períodos mais longos. Se ocorrer queimadura de Sol, apesar das precauções acima, é necessário um tratamento imediato e eficaz.

Autor

Prof. Dr. Alfred Längler

O Prof. Dr. Alfred Längler é Médico Sênior do Departamento de Pediatria e Medicina do Adolescente do Hospital Comunitário de Herdecke, Alemanha.

Também atua como Professor de Pediatria Integrativa e Medicina do Adolescente na Universidade de Witten/Herdecke.